sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Carvanal em Caldas Novas

Eis que tenho as fotos (mas não o vídeo) pra postar e fazer o tal post sobre meu carnaval.

Fiquei sabendo que meu pai tinha comprado um bagulho enorme lá em Caldas Novas de uma parenta nossa. E planejava trazer pra Brasília. Versão resumida da história precisavam que eu viesse dirigindo na volta. Tudo bem, se é pra dirigir.. faço este sacrifício.

Aí descubro em plena Segunda-feira agora que não, repito, não minha presença não é mais necessária nesta viagem. Isso já com malas prontas e praticamente com a chave na ignição. Mas como eu teria uma chance válida de pegar uma cor (questão de ângulo, lá pega-se cor melhor do que na Água Mineral, Asbac ou Clube Naval e afins) e fazer umas mudanças no cabelo por lá (pessoa de confiança que se mudou pra lá) acabei indo mesmo.

Claro que antes demos uma paradinha básica de UMA HORA no posto de gasolina para trocar o óleo, calibrar pneus, consertar a paradinha que joga água no vidro da frente.. como diria minha mãe: dáva pra termos ido ao posto, arrumado tudo isso e ter voltado pra pegar os outros. Quase hora do almoço mas tudo bem, fomos. 300km pra Caldas, 11h da manhã. Eu de TPM. E só algo pior do que eu estar de tpm (que juro que parece que já vai fazer uma semana disso já!): eu menstruada em Caldas Novas.

Enfins: Posto, estrada, Luziânia, estrada, estrada entre fazendas, estrada, eucalíptos pelo caminho, estrada. Chegamos. O mato em volta da casa tinha subido que era uma beleza. Ah, se mato desse dinheiro.. No mínimo dáva pra alugar o terreno pra vacas ficarem pastando por lá e resolver dois problemas duma vez só. Enfin. Como sempre a casa vai se enchendo de poeira, insetos genéricos, teias de aranha E um ninho de formigas!!! No quarto da minha mãe. Jesus, o que era aquilo!! Embaixo do criado mudo um ninho cheeeeio de formigas pretas (de 1cm, mais ou menos) e ovinhos amarelos e todas em polvorosa. Me senti quase quase como no causo contado pelo Carlos Jr sobre a Nely, as baratas e o banheiro da casa dele no blog Diário da África aqui.

Uma longa hora depois fomos almoçar e ir pro clube finalmente. Aaaah, o clube. O DiRoma é um complexo de hotéis, clube e non stop fun num só lugar. Diversão para toda a família. Eis uma mostra de uma família feliz jogando cartas:



Chegamos lá quase 18h e saímos 20h (isso que 19h30 já estavam subindo as cadeiras, varrendo o chão, desligando as luzes, uma beleza!). Daí fomos pra casa da minha tia onde tinha uma galera esperta: namorado e amigos da minha prima que vieram pro carnaval também. Aquele som bacana no ouvido da gente em plena garagem e o porta-malas aberto. (com hífen?) De lá fomos pra casa, cansados.

Terça-feira: acordei 6h30 (dá gosto de ver, pessoa acordando assim tão cedo) e voltei a dormir pois a casa inteira dormia e eu não poderia ir ao clube sozinha. 8h30, já todos de pé fui até o café da matina de acampamento. Fera mesmo. Ainda me amarro nessas coisas. Espero, na verdade, nunca desacostumar. É engraçado certas situações em que nos metemos. :) Enfim fui pra o meu dia no clube de verdade. Depois de nadar aqui, nadar lá (nada mesmo!) fui pra "aula de hidroginástica", foi até bacaninha. Trocentas pessoas na piscina.

Depois disso fui pra beira da piscina (era de ondas, ficou sem funcionar durante a aula) de onde assisti (sem protetor solar, que era pra ver se eu pegava uma corzinha decente) dois instrutores desses, tipo animadores de clube e umas meninas dançando umas músicas de axé aí.

O legal foi quando eu voltei pra mesinha que eu e irmão arranjamos embaixo duma árvore, bem bacana, um bocado de mesas à volta, com uns quadrados de pedra e grama dentro, em volta da árvore, 1mx1m. Eis que se levanta o camarada da foto abaixo (tive de tirar esta, só de raiva) e joga uma coca-cola que estava num copo fora neste gramadinho, por cima dos meus pés cruzados estirados à frente. Claro que cai 90% da coca no meu pé (ao invés do gramadinho). Olhei pra ele tão p** que ele todo sem graça respondeu "desculpa" ou qualquer coisa dessas. Caso é que meus pés estavam molhados. Isso porque eu tinha acabado de me bezuntar de protetor solar e precisaria ficar quieta na sombra por um tempo e não planejava me levantar tão cedo. Na raiva acabei ficando por lá mesmo.



Eis que me chegam abelhas europa (as nossas clássicas amarelas e pretas peludinhas) e uma solitária abelhinha-que-não-pica (que nunca soube o nome dela mas sempre chamei assim) e começaram a beber a tal da coca. Deixei lá, a merda já táva feita mesmo, alguém se beneficiaria. Fiquei inclusive com umas filosofadas com meu irmão sobre a qualidade do mel depois dessa 'civilização' humana toda por aí alterando o que as abelhas recolhem pra produzir o tal do mel. Imaginem, por exemplo mel feito estritamente de refrigerante. Sim, viagem causada por férias + excesso de sol. Enfim, eis a foto (e não, o pé magro de ruim não é culpa minha, reclamem pros meus pais):


Fui obrigada a me levantar da cadeira, não sem antes jogar um copo de caipiroska na cara do maledeto ruim de mira.

Ok, brincadeira, não faria isso. Desperdiçaria caipiroska. E mais do que gostosa ela estava superfaturada (como tudo naquele clube).

De lá almoço em casa novamente, uma siestinha básica e depois uns passeios aqui e ali (vulgo pamonha e biquinis novos finalmente!!).

A parte massa foi à noite: meu irmão acabou não querendo sair e fomos para um bingo (o que? sim, bin-go) no clube. Imaginem quem esta lá? Todos os casaizinhos, famílias, crianças mal educadas que vocês imaginarem. Ah, com direito a carinha do bingo engraçadinho (que era pra animar a noite). Com direito a frases de efeito como "Este é o número da Gorete. Qual é pessoal? Isso, 47", ou.. ah, nem lembro. Mas o repertório do cara era caprichado.

Perdi o bingo pra pessoa que fez a quina (uns $80,00) e a cartela cheia pra pessoa que faturou uns $280,00. Entre uma cartela e outra? Showzinho com música.. hmm, é.. como digo.. sertaneja. (vamos deixar assim). E eu, claro, solteira, ali no meio de casais, crianças, etc.. sem dançar nem isso. :D hahaah Acho que isso é um bom sinal. Como estava com os pais fomos pra casa umas 22h. Acabei achando bom, o sol me tira a energia e não o contrário.

Quarta-feira: Dia seguinte era o dia da despedida. Era dia de ir pra clube mas também mostrar o lago Corumbá pro meu irmão, aí enrola daqui e dali pra sair, acabamos saindo quase umas 10h ou 11h. Passamos na minha tia, de lá pra lagoa. De volta, fiquei arrumando meu cabelo na minha tia. Isso porque eu queria pegar a estrada logo depois do almoço porque já tive más experiências de voltar tarde pra Bsb e encontrar a estrada cheia de motoristas chatos, que não dão seta, que cortam os outros, competem por velocidade, são ansiosos quando ficam muito tempo atrás de um caminhão.. etc etc etc. É uma das partes ruins de voltar pra casa. Todo mundo sumiu pra casa pra almoçar e ver umas coisas aí e fiquei lá na tia esperaaaaaando aparecerem. Chegaram finalmente umas 14h, mãe arrumou o cabelo até umas 16h, fomos sair quase 17h. Bacana né?

Voltei com pai e irmão no meu ouvido sobre como dirigir ou deixar de dirigir. Inferno. Isso porque meu pai já me viu dirigindo algumas centenas de vezes. Aí foi escurecendo e depois começou a chover brabo e a noite entrando e.. nenhum carro a vista!! Inacreditável. Parece que todos os motoristas decidiram voltar em horários diferentes. Isso porque da minha tia eu li uma materiazinha sobre a estrada 040 cheia na volta ao Quadradinho e tal.. Tuuuudo bem, senti tanta falta assim não, só foi estranho.

Como estava sem máquina digital de confiança (a minha tá boa de ser passada pra frente, devo anunciá-la aqui por uns $50,00 mangos) e só tinha à mão um celulinha com câmera simbólica (0.3Mpixels ou seja, nada) saíram essas fotos que postei aí. Ainda não consegui achar uma extensão de arquivo pro meu vídeo que o pc aceite. Aceito sugestões inclusive.

Eis meu feriado relaxante em Caldas. Acho que o próximo fico em casa mesmo. Caldas em férias/feriado vira um pandemônio de adolescentes/música alta/muvuca (e até antigamente: brigas, mas os caras deveriam ser de Brasília também).

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Lojas Helga

Sim, sou chique. Mas nem tanto. Eis que uma pessoa veio me visitar através da busca de uma tal "Lojas Helga". Pensei 'Não é capaz'. Bom, aqui não era. Fiquei intrigada e me coloquei a procurar e eis que achei a tal: Lojas Helga. Cosméticos. Certo.

Tá, não é alta costura mas tá valendo. Contanto que eu receba meu cachê no final.



Eu tinha de receber pelo menos um desconto nas compras. ;)

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Se essa roupa fosse minha..

Foi inaugurado ontem um espaço bem bacana. É um ateliê de roupas chamado Se essa roupa fosse minha, das meninas Priscila Bosquê e Romilda Gomes aqui em Brasília



Antes situado no Polo de moda do Guará II agora se encontra na Asa Sul, onde buscam estar mais perto da clientela exigente de novidades de Brasília. Não é atoa, inclusive, que elas estão presentes em edições do Capital Fashion Week e em sites como o Finíssimo.

Eis a charmosa foto da entrada:




Só daí já dá pra ter uma ideia. (momento besta: ficou parecendo o 'ó o auê aí, ó!').

As peças da coleção atual e antiga podem ser vistas no site delas e acreditem: Tudo o que elas fazem é bonito e bem acabado. Produção brasiliense da melhor qualidade.

Eu particularmente acho engraçado e bonitinho o estilo de boneca delas. Não é sempre o estilo boneca, mas eu considero já marca registrada da dupla, além de ser um toque a mais no guarda-roupa de qualquer moça. E o melhor: se não ficar bom é só ajustar com elas mesmo.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Bença, tia!

Há gatinhas novas no pedaço!

E sou madrinha de uma delas!!! :D hihihihihi O nome dela é Vendetta.

Isso era a versão original.


De repente fico sabendo que está rolando uma segunda gatinha, Charlotte. Por que? Porque num tal desenho (Making Fiends), que a dona do blog Pequena Vendetta assiste na net, a Charlotte é a melhor amiga da Vendetta. E faz tooooodo o sentido.

Conto-lhes. Esta lá a Vendetta quase sendo levada para casa e a dona das gatinhas no pet shop disse algo do tipo "não, leva as duas, elas são tão amigas, será melhor pra elas blá blá blá", deu no que deu: eis que agora as duas reinam na casa!

Eu, claro, também me beneficio. Sou dinda pela primeira vez na vida. E de uma gatinha, hihihih. Podexá que aliso, penteio e dou comida a ela. Ok ok, a Charlotte também. :D

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Knock knock knockin' on



'Knock knock knock' faz minha parede. Todo um lado dela. Os vizinhos teimam em pôr a casa deles abaixo ao mesmo tempo que recontroem aos poucos. Pensei que só duraria um mês essa bateção, no máximo dois. Já nem sei mais o que é ter uma parede que não bate do outro lado. Antes fossem efeitos físicos de espíritos, a gente conversava e se entendia. :D heheheheh.
Mas com essa gente não tem conversa. Eles tem um prazo. Sim, 'tem', sem acento diferencial porque agora virou pecado. Chapeuzinho só pra diferenciar o verbo 'poder' no passado (pôde) e no verbo 'pôr' pra diferenciar da preposição 'por'. Mas isso é outra história.

O caso é que tem vezes, como hoje, que não dá pra sair de casa para estudar na Biblioteca (chuva torrencial de verão e problemas da casa pra resolver), e nestes dias penso em maneiras de fazer com que parem de bater pra eu conseguir estudar:

- Dizer: TEM GEEEENTE!!

- Ou: PODE ENTRAAAAR!

- Ou mesmo: ..

Ah, nem sei. Aceito inclusive sugestões! :P

Ah, não. Assim não dá!! Não aguento mais tanta bateção: Ou saem eles, ou saímos nós desta casa!


P.S.: Sim, se os pedreiros fossem assim eu não teria motivos pra ficar muito longe de casa (pelo menos o último), mas não, não há nenhum parecido.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Com a cara nos estudos

Estou por fora do meu blog por uns tempinhos porque estou tentando me entender com meus estudos.

E por este mesmo motivo não tenho tido muita mente livre pra pensar em coisas (leia-se: devaneios), nem fazer muitas atividades diferentes (leia-se: material para o post). E não quero ser maçante falando do único assunto na minha mente atualmente: concursos.

Assim que eu estiver com a vida ganha volto a postar. Oooooooooooou se eu tiver uma ótima história a contar. :D