terça-feira, 30 de junho de 2009

Même

Da Neda, mãe do Guilherme e esposa do João, recebi este même. Ao que tudo indica significa 'mesmo' em francês. Ou, neste caso, a mesma ideia circulando por vários blogs.

Como explicou a Neda: O Même consiste em dizer cinco coisas que eu não sou, gostaria de ser, mas arrisco. Então vamos lá.

1. Cozinheira: Quem conhece minha mãe não entende como é que ainda não cozinho como ela. Heheheheh. É um problema mesmo. Eu tento, mas ainda não como deveria. Minhas explorações na cozinha são muito tímidas ainda. Mas o potencial está lá, latente.

2. Agente secreta: Há algo com os golpes, a sagacidade, os apetrechos que muito me agrada. Não sou, infelizmente. Tento, entretanto, sempre me manter uma Ás no volante dirigindo (como dá) no trânsito cheio de pessoas no caminho. O problema aí está em conviver com pessoas que não gostam de dirigir e preferiam estar fazendo qualquer outra coisa. No quesito gadgets eu tenho alguns que muito me orgulho, como meu canivete suíço. A musiquinha do 007 toca na minha cabeça quando eu uso para salvar a vida de alguém. Com o saca-rolhas, por exemplo.

3. Nerd: Deve ser meus óculos. Já tentei me livrar deles, eles continuam a me perseguir. Pessoas pensam erroneamente (hahahah ó o vocábulo nerds em ação) que sou nerd por conta da introspecção, vocabulário, óculos. Só pode. Gostava de ler Vaga-lumes, aventuras dos Karas (como a Jana), coisas do tipo. Acabava que eu tinha um vocabulário mais extenso, e como falo pelos cotovelos acabavam saindo certas palavras que minhas amigas diziam 'hein?'. Enfim, estudo-estudo nunca foi o meu forte. Hoje em dia até tento tirar o atrasado para seguir com a vida, e com isso o estigma me persegue. É um tal de acharem que sou nerds..

4. Amigável: Este é um tanto sem sentido. Mas explico. Começo diálogos facilmente com as pessoas. Porém tenho enorme problema de manter minhas amizades. Algo como entrar em contato, dizer que ainda estou viva. Não é que não goste das pessoas, adoro pessoas e não vivo sem elas. Mas manter o contato é uma das coisas mais difíceis pra mim. Porque é o tal negócio de "só eu que te procuro, você nem liga pra mim". E joga a culpa pra cá, pra lá. heheheh Enfins, tento corrigir isso e sumir menos. Mas parece que os que eu mais gosto eu falo menos.

5. Organizada: Esta é engraçada. Eu como virginiana tenho certa neura com isso. E bibliotecária ainda, vixi! Mas mesmo assim possuo o que todos os mortais possuem que é a bagunça organizada. Aquela que você sabe exatamente onde está tudo. Ainda mais eu que tenho memória fotográfica. Tenho fases de arrumação: um belo dia pego tudo que está desorganizado e organizo (ou reorganizo em novas pilhas).


Repasso então para as devidas pessoas:

Chan, do Des(a)venturas pelos quatro cantos
Jorgea e Marrie, do Eu abraçava tu e o holandês
Leandro, do Cretino Lover
Roberta, do O mundo é estranho
Kali, do Blog Kálido

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Bolo, refri e brigadeiro



Teatro Mágico e Legião Urbana

Por Jana

Andam comparando por aí o Teatro Mágico e a Legião Urbana, principalmente pela comoção do público nos shows do TM. Se diz que os fãs do TM são tão seguidores quanto os fãs da Legião eram.

Sou muito suspeita pra falar, afinal de contas sempre amei Legião mas nunca pude ir à um show deles. Tinha uns 11 ou 12 anos quando Renato Russo morreu e só conhecia as músicas mais famosas (lembremos que a Internet ainda engatinhava naquela época, o melhor modem era de 56 Kbps).

O que mais gosto no TM é o espaço de reinvenção da música, da experiência musical em si, de misturar dança, estilos, instrumentos, poesias, público e compartilhar essa experiência com seu público (quem já foi à um show sabe que eles fazem música com o público).

A Legião que conheci tinha menos foco na poesia e mais no questionamento, na ânsia de entender o mundo, de falar o que a gente sente mas nem sabia que sentia (ou era porque eu tava na adolescência?)

No fundo todos somos meio punks (ou gostaríamos de ser, mas falta coragem), no sentido de questionar, reinventar, se encontrar. Adoro o jeito punk/anárquico/livre de ser do TM, e credito parte disso ao legado da Legião Urbana.

Concluo que TM e Legião são muito diferentes, mas acho que o Fernando Anitelli e Renato Russo seriam 'irmãos' de música se a Legião ainda existisse. Um show conjunto seria maravilhoso... hehe

Ps: vale navegar no Youtube para ambas as bandas... E as músicas do TM estão todas disponíveis para download sem frescura (lá no site deles tem as instruções).

sábado, 20 de junho de 2009

Novas funções no blog

Finalmente coloquei algo que gostaria há muito tempo neste blog: pesquisa.

Agora meus fiéis e numerosos leitores, fãs, seguidores, adoradores, críticos contumazes e afins poderão pesquisar no blog, nos links que postei e nos blogs que recomendo (ao lado) tooooodo o extenso material já disponível neste humilde espaço sem ter de entrar mês a mês para encontrar entre as postagens. Praticamente uma mãe para vocês.

Eu testei agora e adorei. O campo de pesquisa é simples, mas depois de pesquisada a palavra é que os resultados aparecem acima do último post e lá é possível verificar os resultados só na aba 'Link Daqui' e 'Visite também'. Para fechar é só apertar o X no cantinho direito. Pedaço de bolo!

--

Aproveitei e coloquei logo também o Seguidores do blog. Assim fica mais fácil para seguir o blog pelo painel do Blogger ou pelo Google Reader.

Por enquanto eles recebem mais visibilidade no topo, depois vejo o melhor lugar para os bichinhos.

--

Por último subiu também o Feed. Por que não, né?

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Um sonho de casa

Por Jana

Tem um assunto que anda recorrente na minha cabeça - minha casa dos sonhos.

Mas é engraçado imaginar como será minha casa (quando for uma casa minha by myself), tudo o que quero é parecido com meu quarto atual - assim que eu terminar de arrumar ele, reforçar a estante, colocar o cabideiro, etc..., mas ao mesmo tempo é tão diferente da minha casa e todas que já morei ou tive intenção de morar.

Além do espaço quase personalizado, o que eu sempre quero numa casa dos meus sonhos é vê-la cheia. Tá aí, não consigo ver uma casa e imaginar que moram poucas pessoas nela. Pra mim casa boa é casa cheia, mas cada um com seu cada qual (privacidade e paz são tudo de bom).

Os outros elementos que minha casa precisa ter são: espaço (pessoas pequenas são espaçosas!), janelas grandes, jardim (nem que seja de inverno), uma banheira de porcelana, uma cozinha gourmet (mas que seja usável no dia-a-dia) e muitos amigos (parentes inclusos aqui). As paredes precisam ter cor de verdade - não gosto de tons pastéis ou apagadinhos - e muitas estantes tipo cristaleira pros meus livros e badulaques diversos.

PS: também ando tendo uma vontade esmagadora de ir morar sozinha, mas esse é outro assunto. O que estou quase fazendo é montar tipo um 'ateliê' lá na senzala (tb conhecida como casa amarela) pra jogar quando tiver vontade, pintar minhas garrafas sem ninguém reclamar, voltar a fazer cerâmica a toa e essas coisas assim...

PS2: não pode ter barata na minha casa! Ou que pelo menos sempre tenha quem as extermine e se encarregue de desovar o cadáver beeeem longe.

Fail Blog

Ótimo blog. Muito bom.


Mais aqui.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Alarme falso para o coração

Conheci alguém. Um cara, um rapaz. Em um momento em que eu menos deveria estar me preocupando com isso, quando tenho outras prioridades para cuidar. Mas enfim, fui pega de surpresa.

Bonito, sem ser óbvio, simpático, inteligente, bem humorado. Certamente tem defeitos escondidos por aí. Não deu tempo de eu os descobrir.

Rolou química. Dessas que não se explica. Papo rolou solto, pegada legítima, liberdade para eu ser besta e falar o que vinha à mente, tudo certo. Senti que este rapaz tinha potencial. Ele gostava mais ou menos das mesmas coisas que eu, quase o mesmo gosto musical, mesmo interesse em programas de tv e filmes, bem tranquilo, um tanto quieto demais.

Eventos pipocavam na cidade depois de nosso encontro, período depois que ficamos de papo no msn e eu fazia notas mentais "hmm, vou chamá-lo pra irmos neste festival de filmes" "Será que ele já comeu nesta creperia?" "Seria bacana checarmos X lugar, vou perguntar depois o que ele acha".

Afinal, por que quero um namorado? A questão é que gosto da companhia, do estar a dois, fazer as coisas como uma equipe, um casal, um time. Beijar na boca, ir ao cinema, jantar, contar as novidades do dia, mergulhar no outro, reclamar os problemas, ser suporte, receber suporte, correr pro abraço, surpreender com coisas simples, acampar, multiplicar os amigos, ensinar, aprender. Eu tenho muito a oferecer neste quesito, sou uma pessoa ligada nessas coisas: oferecer tanto à outra pessoa e esta (sendo não-egoísta) naturalmente devolve à sua maneira. Já encontrei muitas pessoas egoístas desse jeito, que sugam da gente o melhor que podemos doar. Estou cansada delas.

No fim minha ansiedade somou-se à agenda ocupada dele (com não-quero-pensar-o-que) e os sumiços dele culminaram no fim. Quanto tempo é o necessário pra pessoa contactar a outra? Dizer que está presente, que quer estar junto, fazer qualquer coisa, tudo e nada com a outra. Eu esperei um bocado, e pareceu uma eternidade. Quanto tempo você esperaria pra confirmar se o seu bilhete da Megasena é o premiado ou não? E depois disso quanto tempo pra notificar que é o vencedor? Sabe-se que há limite de tempo pra isso (90, 180 dias.. ). Se nem a Megasena espera.

Quando há uma certeza lá no fundo de que a pessoa pode ser a certa, o que fazer? Como mostrar pra esta pessoa que eu vejo desta forma? Como uma forte possibilidade. Eu estou aberta a conhecer, me relacionar, conferir se ele é a pessoa certa mesmo. Muitos outros encontros divertidos, com gostinho de quero mais. Se ele não quer tentar ver não posso obrigá-lo, forçar ele a ver.