segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Solitários

Estou adorando ver o reality show do SBT, solitários.

Já virei fã de alguns participantes, enquanto outros acho que nem deveriam ter entrado. Exemplo fácil de dar é o n. 9.

De cara foram escolhidos 4 participantes homens e 4 mulheres. Para ser justo o jogo o último espaço foi disputado por um cara e uma moça. Passaram mais de 5h executando uma prova tentando ganhar do oponente para participar do jogo. Eu torci de cara pela moça, ela tinha o perfil mesmo. Era ela e o chorão. Calhou da prova estar demorando demais para ser concluída (mudar 100 tijolos de uma mesa para outra e tentar falar uma frase pré-estabelecida inteira) e a regra precisou ser mudada para 'quem falar o maior número de palavras NA ORDEM'. A moça não se atentou pra esse detalhe e perdeu antes da 10a palavra. Ficou o chorão histérico.

Há uma dançarina sensual muito boa. E a representante da cota para afrodescendentes que é a moça negra lá (mãe e guerreira). Gosto do vocalista de banda também. Quer dizer, todos são bons. Menos o n.9, que é um saco.

Eu pensei que os octágonos eram acusticamente tratados e nenhum ouvia o outro, mas no episódio de hoje a Val (programa só de voz e único contato direto dos participantes) deixou um participante dar recado pra outro participante. Pelo perfil do n. 9 uns 4 mandaram recado pra ele de que ele era chato e histérico hahahah. A pergunta era 'quem vocês gostariam que saísse'. Um ou outro mencionou um participante diferente por este parecer mais forte (educador físico etc) ou pelo desempenho nas provas anteriores.

O programa é bem simples, há algo nele de pouco elaborado mas estou gostando bastante. É certamente melhor do que assistir a Globo ou Record na mesma hora. Pensei que passava todas as noites mas é só segundas e quintas, 22h e qualquer coisa. Inconvenientemente tarde.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Looping

Não sei com quantos isso ocorre (se é comum ou não) mas de vez em quando, quando os problemas estão se acumulando sem serem resolvidos, minha mente entra num looping muito engraçado.

Começo a pensar num problema, mas aí ele está atrelado a resolução doutro problema e com este outro e mais outro. Aí penso "blz, vou tentar resolver um de cada vez e com isso ir resolvendo os outros devagar" mas aí quando vejo a solução de um problema depende do outro e aí eu volto a me emaranhar nos problemas um em cima do outro e acaba nenhum sendo resolvido.

No fim é uma merda. Abro mão da solução deles, esqueço por um tempo (até que voltem a me cobrar as soluções). O looping é eterno. Se eu não resolver.

Não que não hajam vitórias. Há. Aqui e ali. Mas são pequenas vitórias, as coisas grandes ainda não foram resolvidas e são estas que me importunam.

E hoje é um desses dias de cabeça muito cheia com meus problemas, sei nem por onde começar a resolver. E mesmo que comece a solução não viria tão cedo anyway. Mesmo assim é necessário, muito necessário.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Dicas para ajudar em Brasília


Correção: Vide comentários. Fui corrigida. :P Quem souber de mais correções eu corrijo.


--------


Outro email de enorme utilidade pública. Eu mesma pretendo, muito em breve, usar os nºs 1, 3, 10..

1. Aquele computador que você não usa mais:
CDI - Comitê de Democratização da Informática.
É uma ONG que trabalha com a população carente do DF e entorno e que necessitam de doações de equipamentos para continuarem o trabalho.
Marco Ianniruberto - Secretário Executivo do CDI-DF diretoria@cdi-df.org.br
SDS Ed. Venêncio VI, loja 9
Brasília - DF
(61) 3322-7233

Zilda Arns é absolutamente contra o aborto

Interessante o e-mail que recebi agora:


“Sou absolutamente contra o aborto” - Entrevista com Zilda Arns
http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=ENTREVISTA&id=ent0055
 
Para Zilda Arns, médica pediatra e sanitarista, “tentar solucionar os milhares de abortos clandestinos realizados a cada ano no País com a legalização do aborto é uma ação paliativa, que apontaria o fracasso da sociedade nas áreas da saúde, da educação e da cidadania e, em especial, daqueles que são responsáveis pela legislação no país”. Ela vê o embrião como um ser humano completo em fase de crescimento “tanto quanto um bebê, uma criança ou um adolescente”. Irmã do cardeal D. Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo, Zilda é também fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Viúva desde 1978, mãe de cinco filhos e avó de nove netos, vem recebendo diversas menções especiais e títulos de cidadã honorária no país.

Portal do Voluntário

Diz que o Brasil é um país altamente generoso, né?

Nem sei porque mas de fato a ideia de ajudar parece bem próxima de todo mundo. E quando um cresce, todos crescemos juntos. Quando um (ou vários) não crescem os outros acabam levando nas costas. Então é um senhor investimento.

Vejam o email que recebi a respeito dos últimos acontecimentos:


Olá!
Ajuda ao Haiti
Um forte terremoto registrado às 16h53 desta terça-feira (19h53 no horário de Brasília) de magnitude 7,3º abalou o Haiti provocando muita destruição, principalmente na capital Porto Príncipe. O número de vítimas ainda é desconhecido e existem brasileiros entre elas. 
A médica pediatra e sanitarista Zilda Arns, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, está entre as vítimas confirmadas. Saiba como ajudar.
Chuvas no Brasil: seja um voluntário
A Defesa Civil e a Prefeitura de SP e do RJ estão recebendo doações de alimentos, roupas, calçados, colchões, água, materiais de limpeza e de higiene pessoal para os desalojados e desabrigados das chuvas.
Veja como fazer sua doação aqui.

Findi no Rio 40ºc

Antes que passe muito do tempo, eu digo:

Passei um findi muito interessante no Rio agora, dia 10. Fiz muitas coisas pela primeira vez: quaaaaaaaaaaase fui ver o nascer do Sol em Copacabana (mas como iria sozinha fiquei de medinho de chegar lá e não ter ninguém. Ledo engano. Cheguei 6h45 e já táva até cheinha a praia);

Fui para o meu primeiro ensaio de escola de samba também: Império Serrano. Altamente divertido, fiquei com as pernas doendo por diiiiias depois (na hora pareceu uma boa ideia sambar até me acabar. Me acabei mesmo).

Conheci um amigo virtual e revi outra. Com o amigo foi bom mas foi ruim. Foi ruim mas foi bom. Com a amiga foi praticamente perfeito. Tempo com ela foi tudo de bom. Samba, fofocagens, papos.Adorei.

Gostei de muita coisa, não gostei tanto de outras. Quero voltar lá com mais tempo também, tentar fazer muito num findi só não dá. Aprendi um bocado sobre os outros e sobre mim mesma.

Foi bacana que quando eu fui rolou um intervalo de chuvas. :D Choveu bastante antes e está chovendo um bocado agora. A pausa foi justamente no meu findi lá. E toma-lhe sol quente, hein. Eu derretia de calor lá. Não consegui beber água o suficiente pro tanto que eu derreti lá.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Inocência

Terei de concordar com a assinatura de e-mail da Ju:


-----------
I could never again be an angel...
Innocence, once lost, can never be regained.
Lucifer, in Season of Mists
-----------

Por que? Porque sim.